• This is Slide 1 Title

    This is slide 1 description. Go to Edit HTML and replace these sentences with your own words. This is a Blogger template by Lasantha - PremiumBloggerTemplates.com...

  • This is Slide 2 Title

    This is slide 2 description. Go to Edit HTML and replace these sentences with your own words. This is a Blogger template by Lasantha - PremiumBloggerTemplates.com...

  • This is Slide 3 Title

    This is slide 3 description. Go to Edit HTML and replace these sentences with your own words. This is a Blogger template by Lasantha - PremiumBloggerTemplates.com...

domingo, 29 de dezembro de 2013

Esse Ano Guarda Municipal de Pindobaçu recebeu viatura

A Guarda Municipal definitivamente vem dando certo em Pindobaçu, a mesma foi criada na gestão do ex-prefeito Dr. Hélio Palmeira com todo apoio do gestor e da sua administração na época. Hoje o atual prefeito do Município Marlos André continua dando apoio ao serviço prestado pela guarda e objetivando a melhoria dos serviços prestados pela Guarda Municipal de Pindobaçu a toda a população da sede do município e de todos os distritos e dos povoados, a Prefeitura Municipal entregou no dia 15 de dezembro uma viatura a corporação, para dinamizar ainda mais seus serviços com mais agilidade em um deslocamento rápido.
Com esse mais novo veículo a Guarda Municipal pretende aumentar mais ainda o seu raio de ação atuando preventivamente evitando a proliferação da violência.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

População Foi As Ruas Pedir a Saida do Prefeito de Bonfim


Na manhã dessa segunda-feira 16, o Movimento Acorda Bonfim com apoio de Vereadores, Ex-vereadores e o povo em geral saiu às ruas de Bonfim, protestando e pedindo o impeachment do Prefeito Correia.


MANIFESTO DE INDIGNAÇÃO POPULAR

Antes mesmo de ter início, o Governo Correia já dava mostras do fracasso que seria, primeiro, porque depois de declarar que certa pessoa considerada “escroto” (palavras do Prefeito), não participaria da formação do seu Governo, foi designado um dos “Homens de Frente” da Comissão de Transição, para, posteriormente, SER O PREFEITO DE FATO e, segundo, porque já anunciava antecipadamente (novembro e dezembro de 2012) qual seria a empresa encarregada da Coleta de Lixo da cidade, como forma de recompensar a substituição do primeiro candidato a vice-prefeito, expurgado a contragosto do então candidato a prefeito, pela reação de certa facção política, que sinalizava para o rompimento político que comprometeria a possibilidade de vitória. No primeiro caso, revelava que não tinha palavra e no segundo, que o favoritismo, a inobservância dos princípios regedores da administração pública (especialmente, o da legalidade, o da transparência, o da eficiência e o da moralidade) não teriam vez no Governo que se anuncia como UMA NOVA REALIDADE, mas que tem sido UMA DURA REALIDADE (ou UMA DESATROSA REALIDADE, ou ainda, UMA VERGONHOSA REALIDADE etc).


Os primeiros CEM DIAS transcorreram SEM NADA que pudesse indicar a existência mínima de planejamento administrativo, de adoção de medidas indicadoras de que a população iria conhecer as MUDANÇAS DESEJADAS e prometidas durante a campanha, preferindo, ao contrário, fortalecer a desconfiança popular de que UMA DURA REALIDADE estava sendo implantada no serviço público municipal e que está confirmada nos dias atuais, quando nos aproximamos dos 365 DIAS DE UM VERGONHOSA REALIDADE, como provam as seguintes situações e alimentam a coragem de populares saírem às ruas para CLAMAR por “IMPEACHMENT JÁ”

I – SAÚDE


- MAUS TRATOS AOS PACIENTES que necessitam de tratamento em Salvador (transporte inadequado e que são feitos com até 6 horas de atraso por vários motivos, inclusive por falta de pagamento aos donos de veículos; casa de apoio sem condições mínimas de higiene e de estrutura de hospedagem).
- FUNCIONAMENTO PRECÁRIO DOS PSFs, CAPS e CENTROS DE SAÚDE – falta constante de materiais, medicamentos elementares e de médicos em Postos de Saúde de Povoados (alguns sem dispor neste ano, sequer, um dia, de profissionais médicos e dentistas).
- MORTES NO HOSPITAL REGIONAL por ausência de estrutura adequada no pronto atendimento a pacientes em situação de risco, inclusive, por falta de ambulâncias para as transferências de urgência a outras cidades, a exemplo de Juazeiro.
- INATIVIDADE DO LABORATÓRIO CENTRAL MUNICIPAL (LACEM) – encontrado em reforma, passou meses sem funcionamento, passando a funcionar recentemente de forma precária (nem os tapumes da teimosa obra foram retirados).
- FARMÁCIA POPULAR FECHADA – não funcionou um dia sequer nessa desastrada gestão.
- AUSÊNCIA DE MÉDICOS – não só em Postos de Saúde de Povoados, mas (pasmem!!!) também nos HOSPITAL REGIONAL.
- ATRASOS DE PAGAMENTOS – há meses de atrasos de pagamentos de servidores contratados, motivando constantes paralisações e ameaças permanentes de paralisações do sistema SAMU (também por condições inadequadas de execução dos serviços), atrasos de aluguéis de imóveis (a FARMÁCIA POPULAR ainda não foi instalada no novo local e já deve meses de aluguel).

II – EDUCAÇÃO


- MANUTENÇÃO DAS ESCOLAS – na NOVA REALIDADE em que vivemos, a manutenção física das escolas que era feita anualmente, já está terminando o ano e nada foi feito.
- DEFICIÊNCIA NO TRANSPORTE ESCOLAR – com frequência alunos do interior do município ficam sem freqüentar aulas porque o transporte não apareceu, seja porque quebrou mecanicamente ou porque o proprietário quebrou financeiramente, por falta de pagamento.
- MUDANÇAS DE SECRETÁRIAS – em média, de três em três meses uma nova secretária assume oficialmente a titularidade da Secretaria da Educação, sem clareza de motivos. Já são três (há, de fato, muitos apaninguados exercendo as funções, daí a necessidade de revezamento oficial, dizem os que conhecem a engrenagem montada pelo GOVERNO DA VERGONHOSA REALIDADE).
- MERENDA ESCOLAR DEFICIENTE – Apesar do repasse do Governo Federal já ter ultrapassado a 1 (UM) MILHÃO DE REAIS (sem contar com o repasse deste mês de dezembro), há falta continuada de Merenda na Rede Municipal de Ensino, motivando a liberação de alunos das salas de aula, mais cedo.

III – ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO


- AUSÊNCIA TOTAL DE DEFINIÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO E DE PLANEJAMENTO - Decorridos 365 dias e o governo AINDA NÃO APRESENTOU à população ao menos um esboço de PLANEJAMENTO e qualquer sinal de existência de método ADMINSTRATIVO, demonstrando preferência pela IMPROVISAÇÃO.
- TROCA DE SECRETÁRIOS – a exemplo da EDUCAÇÃO, já assumiram três secretários, sem que o Governo ofereça eficiência nos serviços públicos.
- LICITAÇÕES NEBULOSAS OU DISPENSADAS SEM CRITÉRIOS – indícios de favorecimentos e superfaturamento estão sendo objeto de apurações (exemplo, CPI do Lixo); adiamento constante de LICITAÇÕES, dando lugar à contratações camufladas pela alegação de emergência (exemplo, COOPSET – encarregada do deficiente sistema de transporte escolar e de outros setores); suspeita de irregularidades na LICITAÇÃO ESCANDALOSA para contratação das ações da SECRETARIA DA SAÚDE, no valor de 21 MILHÕES E 300 MIL REAIS, por um período de 12 meses, EQUIVALENTES À MÉDIA DE 1 (UM) MILHÃO E 775 MIL REAIS POR MÊS.
- GOVERNO DE COMPADRES E PARENTES – Secretário de Finanças (Compadre); Secretário de Saúde (ex-sócio e compadre); Secretária (atual) de Educação (Comadre), Secretária de Ação Social (esposa); Secretário de Infraestrutura (irmão); Secretário de Agricultura (secretário da clínica do prefeito); Tesoureira (viúva do filho do prefeito).

IV – INFRAESTRUTURA

- A inércia, o marasmo, a ausência de iniciativas são as bases em que se assentam as diretrizes dessa ineficiente Secretaria, que nenhuma rua pavimentou em um ano de governo; que iniciou operações de “tapa-buracos” e interrompeu no início por falta de pagamento aos empreiteiros; que abriu mais buracos (exemplo da Rua BARÃO DE Cotegipe); que firmou contratos com empresas sem qualificação para execução dos serviços contatados. Um verdadeiro exemplo de incompetência.

V – AÇÃO SOCIAL

- Como diz o Ditado Popular (a essência da sabedoria do povo): “NEM FEDE, NEM CHEIRA”, tal a apatia nas ações que dependem de iniciativa própria, executando ações prontas vindas dos governos federal e estadual, com ineficiência.

VI – POSTURA EQUIVOCADA DE HOMEM PÚBLICO

- DECISÕES UNILATERAIS – Desde a escolha de auxiliares (secretários e assessores) revelou sua posição intransigente de ditador, escolhendo por si só quem deveria compor ou não o seu governo.
- ARROGÂNCIA – Sempre agiu com desprezo ante os clamores populares pelos péssimos serviços oferecidos, autoavaliando-se como GOVERNO NOTA 10, mesmo diante de tantas mazelas, revelando ARROGÂNCIA, até nas duas únicas vezes em que foi forçado pelos reclames da população a conceder entrevistas em rádio, tentando inverter a sua condição de ENTREVISTADO pela de ENTREVISTDOR, sem responder as perguntas que lhe eram feitas com perguntas dirigidas ao radialista ENTREVISTADOR, ORIENTANDO A QUEM NÃO ESTIVESSE SATISFEITO COM A SUA ADMINISTRAÇÃO A DIRIGIR-SE AO MINISTÉRIO PÚBLICO EM BUSCA DE APOIO, o que efetivamente está ocorrendo.
- DESCOMPROMISSO COM O POVO – as reclamações da população não encontram resposta da administração, o que reafirma a ausência de compromisso com as causas populares, fazendo o povo entender que foi vítima de um VERDADEIRO ESTELIONATO POLÍTICO, quando houve crença de milhares de eleitores em mudanças prometidas que não chegaram.
- DESORDEM NA GESTÃO DE RECURSOS PÚBLICOS – o Município já recebeu dos governos Federal e Estadual, fundo a fundo, este ano, o montante de 85 milhões, 270 mil, 111 reais e 03 centavos, somente até o dia 10 deste mês de dezembro, o que, juntados aos repasses para Secretaria de Ação Social e arrecadações locais (IPTU, TLF, ISS e outras rendas), JÁ ULTRAPASSAM 0S 91 MILHÕES DE REAIS.
- ESTRANHOS CONTRATOS DE ASSESSORIAS – o CHEFE DE GABINETE, que foi o verdadeiro “PREFEITO DE FATO”, depois da chegada do novo Secretário de Administração, Coronel PM, está sendo deslocado para a Assessoria de Comunicação Social (lugar aparentemente próprio para o exercício dos seus propagados conhecimentos de MARKETING), justamente quando o Município firma CONTRATO de valor exorbitante com empresa de comunicação, o que desperta o interesse popular em saber: O MARKETEIRO É INEFICIENTE (como revelaram suas atuações na Prefeitura de Andorinha e Campo Formoso, com as fragorosas derrotas de seus prefeitos nas últimas eleições), OU VAI SER INDIRETAMENTE UM AGENTE DA EMPRESA CONTRATADA POR VALORES MILIONÁRIOS? E o contrato da Empresa de Contabilidade, resultou de favorecimento ou compensação aos serviços GRATUITOS de um dos donos que atuou como advogado orientador do processo de julgamento das Contas de 2001 de Carlos Brasileiro, por interesse pessoal do atual Prefeito e que resultou em verdadeiro fiasco? (o povo tem razão de levantar hipóteses e quer saber da verdade sobre esses e outros estranhos contratos de assessorias).

AS RAZÕES DA INDIGNAÇÃO POPULAR SÃO MUITAS, BEM ALÉM DESSAS CONTIDAS NESTE MANIFESTO QUE NÃO TEM OUTRO OBJETIVO, SENÃO RESGATAR A MORALIDADE NO TRATO DA COISA PÚBLICA, TÃO DESPREZADA NESSE QUE É CONSIDERADO NA HISTÓRIA POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DE BONFIM,
GOVERNO DA VERGONHOSA REALIDADE


MOVIMENTO BASTA BONFIM









Ex-Prefeita de Jacobina Fica Inelegivel por 8 anos





O Juiz Eleitoral Hosser Michelângelo Silva Araújo, da 46ª Zona Eleitoral em Jacobina, acatou Ação de Investigação Judicial Eleitoral - AIJE - em que cassa os direitos políticos da ex-prefeita de Jacobina, Valdice Castro (PP) e do seu vice, Luciano Pinheiro (DEM).

A ação foi movida pela coligação do atual prefeito de Jacobina, Rui Macedo (PMDB), 'Para Reconstruir Jacobina'.

Entre as alegações estão a utilização de marca do governo na campanha eleitoral, o que é vedado por lei; uso de 'jingle' do poder público municipal no período da campanha; e distribuição de terrenos fora do período permitido por lei.

De acordo com o Dr. Hosser Michelângelo, os itens são suficientes para a procedência da cassação dos registros dos investigados, como também o decreto de inelegibilidade da ex-prefeita Valdice Castro e do seu vice, Luciano Pinheiro, pelo período de oito anos, além de estabelecer uma multa de R$ 50 mil a ambos.
A decisão não tem efeito imediato, portanto cabe recurso para os acusados.


Mais Política

domingo, 8 de dezembro de 2013

Deputado Carlos Brasileiro(PT), usa tickets combustível da Assembleia para patrocinar partida de futebol

A final do campeonato no CSU foi marcada pela presença de milhares de Bonfinenses entusiasmados, imprensa local e autoridades regionais, mas também foi palco de mais um escândalo patrocinado pelo Deputado Estadual Carlos Brasileiro. Não faz muito tempo que suspeitas de má utilização do dinheiro público na reforma do Centro vieram a público, indícios de superfaturamento e utilização de material de baixa qualidade na reforma.
 Durante a arrecadação final dos patrocínios prometidos por empresas e autoridades, o Deputado Estadual Carlos Brasileiro brindou os organizadores com 50 tickets de combustível de uso exclusivo da Assembleia Legislativa da Bahia no valor de R$20,00 cada, somando no total R$ 1.000,00, valor prometido como participação pessoal no rateio do evento. A organização do evento lamentou o ocorrido, pois, o dinheiro seria utilizado para pagamento imediato aos participantes do evento.
 Há suspeitas que a utilização deste expediente já tenha ocorrido em outras ocasiões, levantando suspeitas sobre a recorrência no escritório regional do Deputado, situado na rua Costa Pinto na cidade de Senhor do Bonfim. Deputados já estão com o material em mãos e solicitarão do Presidente da AL=BA abertura de uma investigação com o objetivo de apurar possíveis irregularidades nos gastos com combustível do Deputado e recursos destinados na manutenção do seu escritório em Senhor do Bonfim. O material também será enviado ao Ministério Público para investigação.
Fonte:BlogdowalterleyKuhin

Paulo Souto diz que DEM vai esperar 2014 para decidir sobre candidatura

Apontado como um dos grandes líderes da oposição no Estado, com potencial para se colocar no pleito ao Palácio de Ondina, o ex-governador Paulo Souto (DEM) comunga do discurso do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), de que o anúncio da candidatura do grupo deve ser feito em 2014.

Em conversa com a Tribuna ontem, o ex-gestor reforçou o discurso de que a maioria confia na definição “entre os primeiros três primeiros meses”. Citado ontem pelo colunista de O Globo, Ilmar Franco, como o candidato já ungido pelos oposicionistas, inclusive, com o apoio do PMDB do pré-candidato Geddel Vieira Lima, Souto voltou a demonstrar resistência sobre a publicidade das conversações ao dizer apenas que não tinha “nada a falar sobre o assunto”. Entretanto, criticou a antecipação do cenário pré-eleitoral pelo governo. “Não ajuda em nada. Acho que de um modo geral isso não pode fazer bem às administrações, pois começa a prevalecer o fato político”, frisou. Apesar da crítica, o democrata pontuou que “respeitava” a posição do governador Jaques Wagner (PT). “Não tenho que opinar sobre o que o governo fez, mas apenas acho que isso reflete administrativamente”. Incitado a falar sobre o assunto, Souto disparou: “Não tem novidade no que eu vou falar. O governo já anunciou o seu candidato.


Médico afirma que maconha pode fazer seios crescerem em homens


Um cirurgião plástico de Detroit, nos Estados Unidos, afirmou em entrevista à CNN, que homens que fumam maconha podem desenvolver ginecomastia (crescimento das glândulas mamárias), por causa dos efeitos da droga sobre os níveis de hormônios.

De acordo com Anthony Youn, o consumo da droga provoca um distúrbio do equilíbrio entre a testosterona e o estrogênio. “Quando a relação favorece o estrogênio, o corpo responde criando um excessivo tecido nos seios. Portanto, mamas masculinas”, explicou. Youn afirmou também que este efeito só não está já confirmado devido ao estatuto ilegal da droga, que impede várias investigações, e que espera poder conduzir novos estudos em estados onde a droga é legalizada. Além do aumento das glândulas mamárias, o médico afirmou que estudos com animais mostram que a exposição ao THC (tetrahidrocanabinol, substância psicoativa da maconha) pode baixar os níveis de testosterona, a redução do volume testicular e anormalidades no sêmen.
Fonte: (IBahia)

sábado, 30 de novembro de 2013

O Desconhecido Rui Costa Será candidato do PT ao governo da Bahia



O chefe da Casa Civil, Rui Costa, foi indicado oficialmente na tarde desta sexta-feira (29) candidato do PT ao governo do Estado da Bahia, um dia depois de ser anuciado como o “preferido” do governador Jaques Wagner para disputar a sucessão estadual. A decisão saiu em encontro do diretório do PT baiano, realizado no Hotel Fiesta, em Salvador.
A indicação de Rui Costa estava em resolução lida pelo presidente estadual da sigla. “O diretório estadual instalou em fevereiro de 2013 o processo de discussão do petista para a chapa ao governo, sendo apresentados quatro nomes. Foi pactuado que buscaríamos o consenso. Foram realizados encontros regionais, além de plenárias e reuniões internas para discutir táticas. Face o exposto, o diretório estadual, avaliando manifestações ocorridas, assim como o diálogo com o governador e lideranças nacionais, resolve: item 1: indicar o nome do companheiro Rui Costa como nome petista ao governo do Estado, liderando a coalizão de forças de sustentação ao governo estadual”, leu Jonas Paulo. Em seguida, o texto foi votado e Rui, escolhido candidato.

 Em discurso feito antes de ser anunciado como nome oficial da sigla para concorrer, o chefe da Casa Civil apostou na vitória petista no pleito de 2014. “Ciente da responsabilidade que isso significa, quero dizer de forma tranquila e confiante: o partido vai ganhar as eleições de 2104. Não tenho a menor dúvida disso. Não afirmo como força de retórica, de discurso, mas porque o nosso projeto tem o reconhecimento do povo da Bahia”, disse.
Ao falar sobre o eleitorado baiano, o secretário disse que, no processo eleitoral, haverá o questionamento “quem é que pode fazer mais pelos baianos?” “Todos eles, inclusive os servidores, na minha opinião, não terão outra resposta a dizer do que ‘é essa turma do PT que governou até aqui, porque fizeram muito mais do que foi feito em décadas’”, defendeu.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Governador Wagner Exonera Dr Felipe Nery

operação 4

Em ação no combate ao tráfico de drogas, Felipe Nery deixa a Coordenação Regional
O delegado e Corrdenador da Polícia Civil com sede em Senhor do Bonfim e abrangendo vários municípios da região, Felipe Nery, está deixando a titularidade do posto. A publicação que exonera  Felipe Nery do cargo da coordenadoria deverá ser publicada na edição desta terça-feiea(26). Fontes seguras garantem que o coordenador foi comunicado da decisão do governo Wagner ainda na noite de ontem.
Especula-se também, que o prefeito do municipio de Ponto Novo, Adelson Maia, teria pleitado por intermédio do deputado Mario Negromonte a saída de Felipe Nery da coordenadoria.
Procurado para falar sobre o assunto, Felipe Nery, disse não tomar conhecimento de sua saída e não comentou  se houve interferência politica no caso.
Realizando um excelente trabalho na região, Felipe Nery foi responsável por colocar várias quadrilhas na cadeia, e atuou firme contra os traficantes na região.

A saída de felipe Nery, vai se constituir em um grande prejuízo para a sociedade.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Normeide Um Exemplo de Fé e Superação



Entrevista com Normeide Farias
12 de setembro de 2013

 por Emiliana Carvalho




“Diz um provérbio que o gladiador se decide na arena” (Sêneca), que é diante do adversário que se conhece a coragem do guerreiro, a sua disposição em lutar. Mas, o que fazer quando a arena é o próprio corpo e o adversário mora no próprio guerreiro? O que fazer quando você vê a própria vida querendo ser provada através dela mesma?

Normeide de Souza Farias nunca havia se feito esta pergunta, assim como a maioria de nós também não faz. Mas, a jovem de 26 anos, professora, estudante universitária, casada, está a pouco mais de um ano convivendo com a resposta. Normeide está lutando contra um câncer. Ela descobriu de forma dolorosa, literalmente dolorosa, o nome do seu adversário, uma leucemia rara*, tão rara que não há precedentes no estado da Bahia, talvez até, no Brasil.

Foi em sua casa, na cidade de Pindobaçu, que encontrei o sorriso de Normeide, que a precede. O vocabulário dela é amoroso e primaveril. Chamando-me de “flor”, ofereceu-me suco de maracujá e uma travessa de pipocas, além, claro, da sua história.

Escrítica - Como foi a descoberta da doença?
Normeide – Foi tudo muito rápido. Minha vida estava andando normalmente. Certo dia eu estava tomando banho, me ensaboando, e eu percebi uma alteraçãozinha na minha perna esquerda, na região inguinal [interior da coxa], e eu deduzi que fosse um furúnculo, algo do tipo. Meu amor [o marido] estava deitado e eu mostrei a ele: “Denival, tem um caroço na minha perna”. E ele deduziu que fosse a mesma coisa, um furúnculo. Então, tudo bem, se for, vai ficar vermelho, dolorido e a gente vai ao hospital, mas não foi assim que ocorreu.

Foram passando os dias, mais dias, e o caroço da mesma forma. Quinze dias depois, minha perna começou a ficar totalmente vermelha, minha coxa ficou vermelha e foi ficando dolorido em uma região bem maior de onde estava o nódulo. Fui para Bonfim, fiz um ultrassom e descobri que eram linfomas, só que, de forma clara, eu também não sabia o que eram linfomas. Aí pedi ao médico que me falasse de forma mais clara, mais objetiva, e ele disse que alguma coisa não estava bem no meu organismo e que os linfomas eram uma forma de o corpo demonstrar que algo não estava bem.

Saí de lá sem saber de nada, do mesmo jeito. Então, fui em outra clínica procurar um clínico geral para mostrar o ultrassom e ver o que ele iria me dizer, o que eram os linfonodos. Eu fiz isso. Quando cheguei na clínica, o médico olhou o ultrassom, em seguida o nódulo e pediu que eu ficasse internada. Eu perguntei porque a necessidade de ficar internada, não tinha me preparado para aquilo. Eu fui fazer um ultrassom e de lá resolvi passar num clínico... Não tinha nada que me facilitasse a internação, mas ele disse que não precisava de nada para me internar, só de mim. Concordei. Liguei para meu esposo para levar algumas peças íntimas. Ele levou.

Fiquei internada porque o médico disse que o nódulo poderia ser indício de muitas doenças. “Tipo o quê?”, perguntei. “Tuberculose, Trombose...”, ele falou inúmeras coisas, mas não falou nada relacionado a CA [câncer]. Fiquei internada e fiz uma série de exames e não detectou nada. Depois fui encaminhada para outro médico e ele solicitou uma biópsia. Tirou dois nódulos... aparentemente, eu achava ter só um... Fui descobrir que tinha mais quando fiz o ultrassom. Tinham oito nódulos na minha coxa só que eram internos. Eu encaminhei para análise em Petrolina e com quinze dias saiu o resultado, mas não foi conclusivo e solicitaram outro exame. Aí eu entrei em pânico.

Eu achava que a biópsia era o último exame para se descobrir alguma coisa, e a histoquímica eu não sabia o que era. Minhas colegas que fizeram Enfermagem também não sabiam... Aí eu entrei em pânico. Voltei na primeira clínica, mostrei o resultado pro médico, aí ele fez um nova guia para eu levar ao laboratório para analisar de novo, e o resultado desta histoquímica só sairia em 30 dias. Só que nesse intervalo, que eu fiquei esperando sair o resultado do exame, comecei a sentir dores, não só nas pernas, dos seios pra baixo, comecei a sentir dores no corpo todo. Não tinha posição legal para ficar... Deitada... Sentada... Dores absurdas, impossíveis de descrever. Aí resolvi ir para Salvador...

Fui na Secretaria de Saúde de Pindobaçu e pedi o número de algumas clínicas, de alguns hospitais de Salvador e por conta e risco fui ligando, ligando, perguntando se atendia pelo meu plano e, por sorte, eu liguei primeiro pro Hospital São Rafael, e lá atendia. Perguntei se havia Infectologista, porque eu deduzi que fosse alguma infecção por vírus ou bactéria, entendeu? - Já que os exames que foram feitos na [clínica] Paulo Hilarião não diagnosticaram nada. Então, eu deduzi que fosse alguma bactéria ou vírus -. Aí perguntei se tinha médico infectologista e tinha. Nesse período, meu amor estava lá porque ele estava fazendo um treinamento do Banco do Nordeste. Tinha passado na seleção e estava lá. Eu havia marcado a consulta para uma segunda à tarde, mas as dores foram aumentando, aumentando de uma forma absurda e no domingo eu já fui pra Salvador e me internei, no dia 23 de setembro [2012]. A equipe de Oncologia me atendeu...
  
Escrítica – Como você recebeu resultado dos exames? Como foi a tua sensação?
Normeide – A minha irmã [Regina] tinha saído para o almoço, mas eu estava numa enfermaria, comigo, havia mais quatro pacientes. Aí chegou a médica dizendo que tinha o diagnóstico; perguntou se eu estava só e eu respondi que sim. Ela disse: “Veja bem, a gente já tem um diagnóstico e eu vou lhe falar porque antes só era possível dizer para os parentes: marido, pais... Hoje o paciente faz questão de saber e, inclusive, pode até processar o médico por não falar a ele”. E eu: “Não, tudo bem. Pode falar, sinta-se à vontade”. Aí ela: “Você tem leucemia. É um quadro raro, um tipo raro de leucemia. Existem três e você tem um quarto tipo da doença. A gente ainda não sabe com que protocolo curá-la. A gente não tem literatura para ser guiado por ela. Assim: ‘em tal cidade, houve um paciente com esse tipo de leucemia e a gente vai aplicar o mesmo tipo de tratamento para você’. A gente não tem isso. Vai ser usado um dos protocolos que já existe para matar os três tipos de leucemia que existe; a gente vai adequar para você e esperar que seja eficaz”. Aí eu fiquei feliz porque eu estava sofrendo com dores e ainda não tinha diagnóstico, então, quando eu descobri fiquei feliz por já saber o que era e por saber que ia ser tratada de forma específica para “x” coisa, para “x” doença. Eu fiquei feliz.

Escrítica – Depois que você soube o que estava acontecendo, naquele momento do diagnóstico, você ficou aliviada por ter uma definição. Eu acredito que sua felicidade tenha sido por tirar sua dúvida...
Normeide – Exatamente por definir que doença era... é.

Escrítica – O que foi que você pensou depois que a médica saiu e você ficou sozinha com seus pensamentos e com essa definição?
Normeide – Minha irmã chegou do almoço e eu falei: “Nega, a médica acabou de sair e já se sabe o que é que eu tenho”. Ela: “O que é?”. “Câncer”, eu disse. Ela começou a chorar. Eu: “Não chora não. O bom é que a gente já sabe o que é e agora ela vai tratar...”. “É câncer de quê?”, ela perguntou. “Leucemia”. Aí, vendo ela chorar, acabei chorando.

Mas assim, em momento algum eu fiquei em pânico ou entrei em crise, não. Fiquei tranquila. Eu só fui ter aquele choque de realidade quando me transferiram da enfermaria para o apartamento, que eu fiquei isolada. Eu fiquei isolada; começou a quimio; vieram as reações. Tudo muito estranho, nunca tinha passado por aquelas sensações. As pessoas entrando no quarto com máscara, com capa, e eu me senti isolada como se fosse assim: ‘você tá com uma doença braba, uma doença contagiosa e as pessoas têm que se prevenir sem poder ter contado com você...’.

Escrítica – Você ficou com esta sensação...
Normeide – Eu fiquei com a sensação de que estava com uma doença contagiosa, embora eu soubesse que não é. Mas, por conta da baixa imunidade, já que eu tinha começado a fazer a quimio, as pessoas, as enfermeiras, os médicos só entravam com capa e com máscara e eu ficava com essa sensação. Eu só fui entrar em pânico nesse momento, que eu me vi isolada.

No quarto não tinha janela, só a porta de entrada que era a mesma porta de saída, e eu não podia sair nem no corredor, então, quando isso ocorreu aí eu fiquei... sabe? Aquele choque de realidade. Meu Deus! De repente tudo muda, você está com sua vida andando: estudando, trabalhando, com mil e um projetos e de repente você se vê isolada, totalmente isolada. Só tinha minha irmã e eu.


Escrítica – Em algum momento da tua vida você havia se imaginado nesse tipo de situação? Sempre ouvimos falar de casos de câncer, de outras doenças e acontecimentos e a gente se sensibiliza e acaba se perguntando: E se fosse eu? Antes de acontecer com você, você já havia se posto nessa posição? O que você pensava e diante desse pensamento houve alguma mudança que te ajudou, de alguma forma, a encarar o que você está vivendo hoje?
Normeide – Não. Eu nunca tinha pensado. Até mesmo porque eu não acho comum pensar: aconteceu com dona Joana, vai acontecer com dona Maria. Eu não acho interessante a gente sofrer por antecipação. Eu nunca tinha pensado, embora a gente saiba que não é a primeira e nem vai ser última, eu nunca tinha imaginado passar por algo parecido, mas o fato de estar passando não me frustra não. Tem coisas que não têm explicação. Só resta aceitar e eu acho que isso é uma delas, entendeu? O fato de eu estar doente não me faz me ver diferente.

Escrítica – Você sentiu medo?
Normeide – Não.

Escrítica – Você está lidando bem com os teus sentimentos?
Normeide – Estou. Eu acho que entrar em desespero não me faria bem. Nem para mim, nem para o tratamento em si, porque o psicológico influencia muito. Se você não acreditar que vai var dar certo, de certa forma, eu acho que acaba não dando certo, então eu procuro trabalhar meu psicológico dessa forma e acredito em dias melhores e acho que isso está surtindo efeito. Tanto que as pessoas olham para mim e dizem: “Normeide, se seu cabelo não tivesse caído ninguém diria que você está doente. Porque você está com o astral legal, você não mudou nada. Continua rindo”. Eu acho que se eu estivesse deprimida, chorando, esperando que as pessoas fizessem por mim o que eu mesma posso fazer e venho fazendo... Porque eu cuido de minhas coisas, eu lavo roupa, eu mesma faço o meu almoço. Eu procuro ter uma vida normal. Eu vou pra feira. Só me previno: coloco máscara e coisa e tal, mas eu procuro ter uma vida normal.

Eu acho que isso é importante, tanto pra mim quanto para o tratamento, porque se eu ficasse deprimida, cabisbaixo, talvez as pessoas fossem se aproximar por pena e não por gostar de mim e eu sei que as pessoas estão perto de mim não por pena. Eu tenho certeza que é por ter um sentimento. É porque quer ver meu bem. A minha vitória não vai ser só minha, vai ser tanto da minha família quanto dos meus amigos e eu acho que isso é importante.


Escrítica – E a vida ganhou novas cores? Você tem aprendido e visto as coisas sob uma perspectiva diferente com a doença?
Normeide – Com certeza. Passar por um tratamento desses, totalmente sem noção do que pode acontecer ou não... Foram nove ciclos de quimioterapia, então, eu sei que vou ter enjoo, vômito, queda de pressão, diarreia, febre. Isso para mim agora é normal, mas tem outras intercorrências. Eu já fui parar na semi-intensiva, já tive que fazer uma broncoscopia, já tive convulsões... Isso é algo que não tem como saber se vai acontecer ou não, então, se você passa por tudo isso e não tirar proveito (risos) nada mais vai te modificar. Acho que outras coisas não mudariam o ser humano, passando por um processo desses, entendeu?

Eu vou pra lá e não sei o que pode acontecer, o que me espera. Eu posso sair acreditando em voltar e simplesmente não voltar, não é? Porque tudo é muito novo. Quando você pensa que viu tudo, tem sempre uma novidade. Eu mesma disse para mim: dor nenhuma me surpreende mais. No início que foram as dores que me levaram até Salvador, eu achei que dor nenhuma mais me surpreendia e, no entanto, nesse último ciclo eu sofri demais com dores de cabeça, cefaleia muito forte, com enjoo, vômito. Tudo isso foi terrível.

Escrítica – No hospital você tem contato com outras pessoas que passam pelo mesmo problema que você, que passam pela mesma rotina... pelos mesmos procedimentos. Você conversa com elas, mantém essa relação?
Normeide – Todas as pessoas que estão no lugar que eu fico, sofrem com algum tipo de câncer, só que os pacientes não têm contato um com o outro por causa da proliferação de bactéria - a gente fica com baixa imunidade e aí não é permitido ter contato-, só que, quando desce para o jardim, a gente acaba encontrando algumas pessoas que passam por diversos tipos de tratamento, não só o oncológico. Pessoas com histórias incríveis.

Eu conheci uma menininha de três anos de idade, estava com a mãe, a mãe era acompanhante dela, e eles ficam revezando: pai, mãe, irmã. São de Petrolina. A filhinha dela nasceu com um problema na coluna. Ela não fica ereta. Ela fica na posição de uma cadeirinha, sentadinha constantemente e já tinham feito dezessete cirurgias. A mãe muito confiante, e a criança em si, você não diria olhando assim... A primeira impressão que fica é de que não é doente; o sorriso lindo, os olhinhos, aquele brilho... Incrível.

Só conversando é que a gente tem noção de que há pessoas passando por situações piores que a sua. E isso lhe conforta. Não é que você vai ficar feliz com a miséria do outro, mas, é que às vezes, a gente se vê distante da família, no meu caso, passo mais de um mês e quinze dias. Geralmente eu me sinto só. Minha irmã fica comigo, mas acabamos ficando sem assunto. Mais de um mês dentro de um quarto, só ela e eu, olhando uma para a cara da outra, acaba faltando assunto para conversar (risos), aí você acaba de confortando quando encontra outras pessoas que contam as suas histórias. Você acaba encontrando pessoas em situações piores; e eu cheguei até aqui e não é interessante que eu desanime agora. Eu vou prosseguir, Deus vai me dar forças.

Escrítica – Quais são os teus sonhos, teus planos?
Normeide – Sonhos? Eu tenho bastante! Meus planos no momento é terminar os estudos, após o tratamento; ajudar o meu esposo, construir o que a gente já tinha planejado anos atrás, antes de eu ficar doente; viajar como a gente já tinha planejado. E sonho no momento é fazer o transplante, agradecer a Deus e aos amigos que estão me dando apoio, um apoio inexplicável. Sabe aquele amor incondicional de mãe? É o que venho recebendo dos meus amigos. Deus me deu uma família de amigos que eu não tenho palavras pra descrever ou agradecer. Mas no momento eu sonho com isso, me ver livre desse processo, do tratamento, terminar o transplante, esperar que tudo ocorra bem e agradecer a todas as pessoas que vêm me apoiando.

Escrítica – Você é uma pessoa religiosa, espiritualizada? Como é a fé em você?
Normeide – Eu não tenho religião. Eu creio em Deus e isso pra mim é o suficiente. Eu acho interessante crer em alguma coisa, acho que é necessário crer em alguma coisa e eu prefiro crer em Deus. Eu creio que tem uma força maior que rege o universo e nos sustenta, isso pra mim é o suficiente. Eu creio em Deus, mas eu não tenho religião, eu não tenho o hábito de ir pra igreja. Eu não acho que seja necessário ir para a igreja para ter fé ou para crer em algo, então, eu creio em Deus e isso me mantém de pé.

Até este dia, Normeide estava em casa, aguardando os progressos do tratamento, sonhando com o transplante de medula, que está prestes a acontecer, graças à sua irmã Carminha, de 28 anos, portadora da Síndrome de Down, compatível. A doença de Normeide parece querer provar algo além da força e da coragem desta mulher, parece querer fazer demonstrar alguma espécie de valor que deixamos de atribuir a quem também o merece. Carminha vive com a mãe, dona Ana Maria e a outra irmã, Regina, que vem ajudando a aplacar a solidão de Normeide no hospital.

Dona Ana Maria é uma mãe de muitos filhos, que sofreu o abandono do marido e se ancorou nas responsabilidades da maternidade para seguir em frente, sempre tendo Deus como sua testemunha. Foi com um pouco de lágrimas nos olhos, com a boca um pouco trêmula, que ela tirou da dureza da história de Normeide um tanto de graça: “Ela nunca se conformou com uma coisinha só, não sabe? Sempre ela gostou de coisas grandes; sempre ela olhou muito longe. Quando ela se ajuntou com esse menino, ficou falando assim: ‘Eu quero ter minha casa de rico’. Tudo que ela pegava dizia: ‘É de rico’. Eu digo: ‘Ô meu Pai do Céu, agora até a doença que veio pra minha fia foi de rico...”. 

Quanto à Carminha, vai brincando, guardada em sua inocência, se satisfazendo com a missão de salvar a vida da irmã, a mais importante que o destino lhe deu e cuja grandiosidade ela ignora como só as crianças podem. Mal sabe Carminha que a candura de sua alma pode renovar o sangue de Normeide, que anseia mais do que nunca viver a simplicidade da vida ao lado de seu marido, o firme Denival Fernandes, de 28 anos, um dos pilares da continuidade desta história, aquele a quem Normeide reconhece apenas como: “meu amor” ou “o amor”.

Escrítica – Como você sente o fato de sua cura poder vir de sua irmã que é portadora da Síndrome de Down? Como você recebeu essa notícia e como as pessoas ao teu redor estão vendo essa possibilidade?
Normeide – Eu me sinto feliz por ser ela, pelo fato de a sociedade ainda ter preconceito, embora bem menos que antes, mas ainda tem preconceito. É uma forma das pessoas verem que ela não é inútil como muitos acham, e acabam abortando os filhos quando sabem que têm síndrome ou alguma deficiência física. É uma forma de a sociedade ver que ela é útil, embora ela seja útil em diversas outras coisas, mas a grande maioria prefere ver de forma diferente... Feliz? No momento em que soube eu não fiquei. Eu não vou negar.

Escrítica – Porque?
Normeide – Porque são muitos irmãos e eu preferia que fosse algum dos irmãos homens, pela resistência física, tanto que ela ficou por último. Meus irmãos foram para Salvador, todos juntos e ela foi a única que não foi. Minha mãe perguntou se Carminha não iria e eu disse que não porque o médico falou que possivelmente eu teria uns quatros irmãos compatíveis, quatro doadores, por que, geralmente, a cada cinco irmãos é possível que tenha dois compatíveis e eu pensei: tenho nove é bem possível que eu tenha uns quatro doadores.

Cada resultado era uma frustração. Quando saía o resultado... “È compatível?”. “Não.” Aí você recebe outro resultado e acaba não sendo. O médico perguntou: “Mas você ainda tem uma irmã, não é?”. “Mas, ela tem síndrome”, respondi. “O que não impede dela fazer um exame e não impede também dela ser compatível”. Eu concordei. Liguei para meu irmão de São Paulo para perguntar se ele achava interessante que ela fizesse. Porque embora eu estivesse doente e a tivesse em vista para fazer o exame, se meus irmãos não achassem interessante fazer com ela, por questões psicológicas ou pela possibilidade dela ficar com alguma sequela, eu não iria insistir para que ela fizesse, entendeu? Até porque pra mim a integridade física dela está em primeiro lugar, e continua estando. Agora eu sei que ela não corre nenhum risco de ficar com sequelas e nem de morte.

Minha mãe, desde o início, queria que ela fizesse. Ela disse: “Deus me deu ela e deve ter um propósito, talvez o propósito seja esse”. E acabou sendo. Quando saiu o resultado. Nossa! Eu chorei bastante.


Escrítica – Um choro de quê?
Normeide – Um choro de tristeza, porque eu não queria que fosse ela. Mas acabou sendo e ela está muito feliz, muito animada, totalmente empolgada. Ela fala pra todo mundo que vai ser minha “induadora” (risos). Ela fala pra todo mundo que vai salvar a minha vida. A gente procura conversar com ela, deixar inteirada sobre o assunto. A gente não fala tudo pra não causar medo, entendeu? Porque o medo é algo que faz parte. Todo o mundo tem. Quando um não tem medo de uma coisa, acaba tendo de outra, e na situação dela é bem comum que ela tenha medo ou chore quando chegar na hora porque ela não entende tudo de forma específica como nós entendemos, mas procuramos sempre conversar com ela.

Escrítica – Você tem medo de morrer?
Normeide – Não. A morte pra mim é “um pensamento gentil, de paz eterna” (Junqueira Freire). Eu não tenho medo de morrer não. Eu costumo ver a vida como uma moeda, tem dois lados e geralmente as pessoas se frustram por querer ver só um lado. Eu converso bastante com minha mãe e eu digo pra ela sempre: “Mãe, se alguma coisa não ocorrer como a senhora e a grande maioria espera, e eu também espero, não se frustre não, nem blasfeme, porque eu já fui muito feliz.

O fato de eu estar doente não me faz lamentar nada. Eu estou procurando tirar proveito da situação, me tornar uma pessoa melhor, mais agradável, mais companheira pro meu esposo, pra minha família, pros meus amigos. Eu acho que é interessante você ver a vida de um novo ângulo e eu estou procurando fazer isso.

Morrer é consequência, estar vivo é um milagre. Se eu estou dando o melhor de mim, Deus é testemunha, as pessoas são testemunhas disso. Eu estou dando o melhor de mim e as coisas nem sempre acontecem como a gente gostaria que acontecesse e eu preparo a minha mãe sempre. Se isso não ocorrer como a gente espera e a grande maioria espera, a senhora não tem o que lamentar não, porque eu, estando doente, não tenho.

Escrítica – Você e seu marido são um casal jovem. Como tem sido a rotina dentro do casamento diante da doença? Como tem sido o seu marido nesse momento?
Normeide – Eu costumo dizer que eu não tenho sorte, eu costumo dizer que sou uma pessoa abençoada. Primeiro por ter a mãe que tenho, a família que tenho, e também, pelo marido que tenho. Falar dele não é difícil; para muitos ele é atrevido e eu até concordo, mas, no geral, ele é pra mim uma pessoa que traz no olho uma esperança de dias melhores. Ele nunca chorou na minha frente, nunca lamentou o fato de estar doente. Ele me dá total força.

No começo, nos primeiros meses em que eu estava em Salvador, a gente se falou por telefone e depois pessoalmente. Eu falei pra ele que ele estava livre, que ele tinha total liberdade, que não se sentisse na obrigação, por eu estar doente, de ficar carregando esse peso; ele tinha total liberdade para procurar ser feliz, talvez só, talvez com outra pessoa, mas a gente se uniu por um sentimento que até hoje a gente alimenta: o amor. Embora eu esteja doente, ele me dá provas todos os dias que me ama e que vale a pena estar comigo, vale a pena lutar, que estou doente, mas é apenas uma fase que vai passar.

Escrítica – Ele tem mostrado aspectos da personalidade dele que você não conhecia ou ele sempre foi essa pessoa que ele é, com essa carga de esperança e altivez diante da vida para encarar os problemas? Como tem sido o espírito dele, através do seu olhar, diante desta vivência de vocês?
Normeide – Não mudou muita coisa não, embora eu o veja bem mais perto de Deus. Eu o vejo orando, ele me chama pra ir para a igreja. A atitude dele em me chamar... Antes era eu que o convidava. Hoje eu o vejo mais próximo de Deus, o que eu acho importante. As pessoas têm que se alimentar espiritualmente diante de tantas crises, tantas dificuldades, diante de tantas coisas que o mundo oferece e não é bom. As pessoas terem Deus é essencial e o que mudou pra mim foi isso, mas no geral, ele é pra mim a mesma coisa.  

Escrítica – No teu cotidiano quais são as coisas que você gosta de fazer e vai continuar fazendo depois que essa rotina médica acabar?
Normeide – As coisas mais simples são as mais extraordinárias. Estar em um hospital, parece incrível, mas eu sinto uma vontade imensa de comer cuscuz (risos). Essa é a prova de que as coisas mais simples são as mais extraordinárias! Eu sinto vontade de comer cuscuz! E minha irmã diz: “Ô sonho pobre!” (risos). Lá, eu sofro muito com a ausência das pessoas porque eu nunca me vi só. Na minha casa são muitos irmãos e a gente, todos os domingos, estava junto fazendo farofa, assando carne no quintal de mainha. Foi sempre assim, uma família grande, embora cada um tivesse sua casa, tinha o dia de se reunir, de estarem todos juntos, batendo resenha, dando risada das palhaçadas um do outro.

Depois, a faculdade. Minha turma tinha 40 alunos, era uma turma grande. Depois eu comecei a dar aulas no Estadual, tinha cinco turmas. No mínimo, cada sala tinha 28 alunos, então sempre me vi envolvida com muita gente. Eu tenho uma lanchonete ao lado do Banco do Brasil e diariamente eu estava em contato constante com as pessoas daqui e das que vinham da zona rural, então, nunca me vi isolada, sozinha. Quando me vi lá, só, foi isso que impactou e me fez sofrer bastante. Primeiro pelo tempo que fiquei, mais de um mês, no primeiro ciclo de quimioterapia, então a ausência das pessoas fez com que eu ficasse um pouco debilitada, fragilizada, chorando bastante. E estando em casa o quadro muda. Tenho visitas constantemente. Saio com meus amigos pra comer pizza, pra passear, vou pra rio, pra cachoeira, só não faço tomar banho, mas estou no meio da muvuca (risos). E isso pra mim é tudo!

Escrítica – Mas, a solidão por mais difícil que seja pra você, ela não te traz alguma coisa boa, que você só pode encontrar nela? Você não extraiu, de alguma forma, alguma coisa boa da solidão?
Normeide – (pausa) De forma específica, para mim é ruim, mas a gente vai trabalhando isso. Você sabe que não é possível as pessoas estarem por perto por causa da distância, então você vê quem está ao seu lado, mesmo distante, porque você recebe uma ligação, uma mensagem. As pessoas ligam pra mim e dizem: “Deus está me inquietando e eu vou orar por você se você permitir”. Então, embora eu esteja distante, tem pessoas lembrando-se de mim.

Você acaba vendo a vida de outra forma. Pessoas que você deu o seu máximo e hoje esperaria ter o mínimo, acaba não tendo; e outras pessoas que às vezes você não levou a sério, você passou e simplesmente deu um bom dia algumas vezes são pessoas que se aproximam e fazem total diferença no momento. Então você aprende a dar valor às pessoas, à família, ao esposo... Às vezes você briga e destrói a relação por coisas simples, coisas que poderiam ser resolvidas com uma conversa. Muitas vezes, a gente bota a casa de cabeça pra baixo por conta de uma cólica e você nunca para pra imaginar que tem pessoas botando a casa de cabeça pra baixo por conta de um dor crônica, por conta de algo que ele nem sabe, então tudo isso você aprende a ver de forma diferente.

Escrítica – Qual é a palavra mais recorrente em sua vida, desde que você descobriu a doença, ou a palavra que sempre te acompanhou, que é mais simbólica?
Normeide – Esperança. Acho que a esperança, assim como a fé, nos alimenta. Acho que é interessante você acordar e ter esperança de dias melhores. Hoje está ruim, estou tendo uma reação, a dor de cabeça está forte, mas amanhã talvez eu não esteja passando por isso, então, tem que alimentar todos os dias a esperança de dias melhores.

É assim Normeide, como Sêneca nos ensina em Aprendendo a Viver: “pensa que nada é extraordinário a não ser a alma e que, para uma alma grande, nada é grande”, nem a dor, nem o sofrimento, nem as lutas da grande arena  vida. Essa você já venceu.


terça-feira, 12 de novembro de 2013

Policia Civil Realizou Mega Operação em Pindobaçu

 

 

 

 

 

 


Hoje dia 12.11.13 foi desencadeada a Operação “Pindobaçu Sem Crime”, sob o comando do Coordenador Regional Dr. Felipe Neri e da Delegada Titular Drª Elisa Padilha, com a participação dos Delegados Dr. Claudio Gomes e Drª Antônia Jane e dos S.I da Coordenadoria, da DT de Senhor do Bonfim e da DT de Pindobaçu, para cumprimento de oito mandados de prisão por crimes de roubo, furto e receptação, sendo presos seis dos procurados.

1- Luiz Henrique da Cruz Silva (Dedé), 24 anos, crime de receptação;
2- Euriosvaldo Rosa dos Santos (Zé Pretinho), 75 anos, crime de receptação;
3- Robério de Jesus da Silva (Peba), 23 anos, crime Furto e Roubo;
4- Marcelo Silva da Cruz Gomes (Marcelo), 35 anos, crime Furto e Roubo;
5- Manoel pereira da Silva (Manoel),24 anos, crime Furto e Roubo;
6- Virlan Carvalho Anastácio (Virlan), 29 anos, crime Furto e Roubo.


19ª COORPIN
  *Blog do Walterley

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Está no ar o novo site da Rádio Esmeralda FM 104,9




Com um layout moderno e atrativo a página traz mais conteúdo e os leitores tem acesso aos programas veiculados na rádio, além de notícias de todas as editorias como esporte, entretenimento, saúde, polícia e serviços sociais.
A programação também está bem completa e o leitor confere tudo o que rola na Esmeralda FM 104,9, se informando sobre dias, horários e notas sobre cada programa. Para ampliar a interatividade, o site traz todas os endereços das redes sociais da rádio e o leitor pode compartilhar as notícias com amigos no Facebook, Twiter e outras redes sociais.
A editor-chefe de conteúdos da Esmeralda FM 104,9, Ivanilson Castro, aponta que o novo site tem como objetivo ampliar os elos de contato da população de pindobaçu com a rádio. “temos uma estimativa de que novos públicos circulem e tenham acesso aos mais variados informativos, sejam no rádio convencional, na web e nas mídias sociais”, destacou.
Acesse: http://www.esmeralda104fm.com.br/.

Guarda Municipal de Pindobaçu e o Conselho Tutelar detém pedófilo em flagrante



Maurenito Bandeira (em destaque no circulo), detido pela GCM de Pindobaçu/BA acusado de aliciamento de menores em feira livre da cidade.
Mais uma ação da Guarda Civil Municipal de Pindobaçu/BA que junto com o Conselho Tutelar local há meses já vinha sendo feito um trabalho em serviço de investigação, onde nesta segunda-feira, 04/11, por volta das 10h47min a Guarnição composta por Noedson, Antonio Carlos e Soares, recebeu um comunicado oriundo de um dos membros do Conselho Tutelar que nas imediações da Feira Livre da cidade um senhor de aproximadamente 50 anos aliciava uma criança com apenas 11 anos de idade. Em uma ação conjunta a GCM e o Conselho Tutelar se dirigiram para o local indicado e lá chegando pôde constatar a veracidade dos fatos, sendo deflagrada a voz de prisão e o acusado sendo conduzido para a Delegacia da Polícia Civil apresentando a autoridade competente e registrando a ocorrência assim como a lavratura dos procedimentos legais, tendo como acusado Maurenito Bandeira de 57 anos, natural de Riachão do Jacuípe/BA, tendo como vítima a menor de iniciais B.R.S. de 11 anos de idade.

Homem toma viatura da PM e armado ameaça moradores no centro de Pindobaçu


 
Um homem identificado como Silvio Guimarães da Silva, conhecido como Laô, conseguiu na manhã desta quinta-feira, dia 31, causar pânico e terror na Praça Pedro Luís, no centro de Pindobaçu – Ba.
Armado com uma espingarda de socar, um estilingue e com dois litros de combustível, o elemento teve a proeza de ficar em cima de uma viatura da Polícia Militar, onde ameaçava todos, inclusive os policiais.
O elemento somente foi contido graças à ação da sargento PM Neide, que conseguiu domina-lo, puxando-o para fora da viatura. Conduzido até a Delegacia de Policia, serão tomadas as devidas providências.
Conforme informações o Sr. Laô tem problemas mentais e reside no Povoado de Cachoeira, interior de Pindobaçu.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Prefeito de Pindobaçu demite médicos após reclamações




O prefeito de Pindobaçu, Marlos André, mostrou a firmeza e coragem que ainda falta a muitos gestores. Enfrentou o que chama de corporativismo e demitiu, de uma só vez, três médicos que atendiam no municípios. Segundo o blog E2S Notícias, a população já vinha reclamando do atendimento lento ou, em alguns casos, da falta dos profissionais nas unidades.
Inicialmente, o prefeito teria demitido um dos profissionais. Os outros dois teriam exigido o retorno do médico ou também deixariam de atender. Prontamente, Marlos André demitiu os dois. Segundo o blog E2S Notícias, os três não queriam aceitar sequer as ordens da direção do hospital municipal de Pindobaçu e reclamavam do excesso de pessoas para atender. O nome dos profissionais não foi divulgado.
Para cada plantão de 24 horas no hospital, o município paga R$ 1.600 e mais R$ 500 para atender, no ambulatório, 30 pessoas pela manhã e 30 à tarde. Informações que os substitutos já teriam sido contratados pelo gestor.

sábado, 27 de julho de 2013

Acusado de Matar a Esposa é expulso da Policia


Acusado de matar a esposa Márcia Regina dos Santos, com requintes de crueldade, fato registrado na noite de 30 de outubro de 2011, o investigador da Polícia Civil, lotado na Coordenadoria de Senhor do Bonfim, João Macedo dos Santos, foi expulso do quadro da instituição a bem serviço público em decreto assinado pelo governador da Bahia, Jaques Wagner e publicado no Diário Oficial desta sexta-feira (26).
O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

R E S O L V E

demitir, a bem do serviço público, à vista das orientações da Procuradoria Geral do Estado e dos elementos constantes do Processo no 0511120001269 e apenso no 5654110051113, JOÃO DOS SANTOS MACEDO do cargo de Investigador de Polícia Civil, cadastro nº 20.514.421-7, da lotação da Polícia Civil da Bahia, da estrutura da Secretaria da Segurança Pública, com fundamento no art. 90, inciso LIII, c/c os arts. 95, inciso IX, e 100, da Lei 11.370, de 04 de fevereiro de 2009, c/c o art. 197, parágrafo único, da Lei nº 6.677, de 26 de setembro de 1994.

O estado seguiu orientação da procuradoria Geral. A decisão foi tomada baseada no processo em que João Macedo dos Santos é acusado de matar a esposa.

João Macedo, está preso na corregedoria da Polícia Civil em Salvador, e com esta decisão deverá ser transferido para um presídio nas próximas horas.

Entenda o caso:

Em 30 de outubro de 2011, João Macedo, algemou Márcia Regina e iniciou a sessão de tortura e espancamento que durou cerca de quinze minutos. Algemada e indefesa, Márcia recebeu golpes violentos em várias partes do corpo e não suportando tamanha violência acabou perdendo a vida. O crime bárbaro de acordo com a Polícia ocorreu no quarto dos dois filhos do casal que no momento não estavam na residência.


Na noite do crime, João Macedo contou com a participação de um dos seus irmãos para fazer uma verdadeira encenação. Mostrando-se frio e calculista, o ex- investigador colocou uma calça e uma blusa em sua esposa já sem vida, colocou no carro e circulou pela cidade com Márcia já morta amarrada a um cinto de segurança. Na BA que liga Senhor do Bonfim ao município de Campo Formoso, simulou um acidente, novamente com a ajuda de familiares, retirou o corpo de Márcia Regina e jogando-o no mato nas margens da rodovia.



João Macedo contou que o casal estava se dirigindo para uma festa na cidade de Pindobaçu, que após um desentendimento Márcia teria aberto a porta do carro e se jogado no asfalto.

No velório de Márcia Regina, surgiram as primeiras suspeitas. Entrou em ação o delegado Felipe Nery, que iniciou a investigação e concluiu que Márcia havia sido assassinada.

João Macedo participou do velório, foi à missa de sétimo dia e ainda teve a coragem de visitar o túmulo de Márcia no dia de finados.

Ex-prefeito de Filadélfia é multado pelo TCM


A 2ª Câmara do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM-BA) já relaciona 18 processos, entre concursos públicos e processos seletivos simplificados, para promoção de representação ao Ministério Público (MP-BA) contra gestores, por práticas de ilegalidades e irregularidades na administração pública. De acordo com o corte de contas, os motivos para que os registros de nomeação sejam considerados irregulares são diversos, e vão desde ausência de documentos essenciais para a legalidades dos procedimentos de seleção até a nomeação sem qualquer respaldo legal. Em recente sessão do Pleno do TCM, o ex-prefeito de Filadélfia, João Luiz Maia, foi multado em R$ 800 e teve representação encaminhada ao MP-BA por promover simultaneamente, no exercício de 2012, concurso público e processo seletivo simplificado, em desacordo com o que determina a Constituição Federal. O edital utilizado pela municipalidade foi único e direcionado para os dois processos, tendo os mesmos prazos, datas, validades, o que demonstrou a ausência da urgência e da excepcionalidade que caracteriza uma contratação temporária.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Chuvas elevam nível da barragem de Pindobaçu





A barragem de Pindobaçu conseguiu sangrar e está com 10 centímetros acima de sua capacidade de acumulo total.A Embasa já sinalizou que está diminuindo a quantidade de caminhões–pipa que abastece a população de forma gradativa. A Concessionária de água também sinalizou que as  localidades que vinham enfrentado racionamento voltarão a receber  o abastecimento normalmente  normal nos próximos dias.

Suposto Ovni foi fotografado na região de Senhor do Bonfim



Um Objeto Voador não Identificado (Ovni), fotografado no último dia 14 de abril, na serra do Gado Bravo, por dois ciclistas, está chamado a atenção de muita gente na região.
As fotos registradas pela dupla Raimundo Natação e Igor Geovani, foram feitas quando eles sinalizavam uma trilha para competição de Mountain Bike. Segundo as testemunhas o objeto de forma oval, surgiu de repente e causou uma grande surpresa.As testemunhas falaram para reportagem do falandotudo.com – que o objeto voador fazia um leve barulho, semelhante a uma maquina de costurar, quando foi percebido emergindo da mata. “Raimundo viu e gritou para pegar a câmara, senti medo, pensei em correr, mas agüentei o medo  e tirei algumas fotos. Disse Igor Geovane responsável por tirar seis fotos do objeto. 


Segundo os dois amigos, o Ovini foi visto por volta das 15h30, e ficou por cerca de 15 minutos no ar, desaparecendo numa velocidade inimaginável.“O objeto estava num local de difícil acesso e muito profundo, quando percebemos a sua presença e começamos a fotografar”. Comentou Raimundo Natação. Perguntado sobre o tamanho da nave, ele respondeu: “tinha o comprimento de um automóvel”.
   

MAIS 20 MUNICÍPIOS BAIANOS RECEBEM RETROESCAVADEIRAS PARA COMBATER OS EFEITOS DA SECA


Vinte municípios do interior da Bahia receberam ontem, 25, retroescavadeiras, dentro das ações estruturantes do Estado no combate aos efeitos da seca. O evento aconteceu em Feira de Santana.
As retroescavadeiras também podem ser usadas para melhorar os acessos às comunidades rurais, aumentar a disponibilidade de água para os agricultores familiares, promover a limpeza de aguadas e ampliar a capacidade de armazenamento de água nas barragens.

Os municípios beneficiados com esta nova entrega são Anagé, Andorinha, Barra, Boa Nova, Bom Jesus da Serra, Buritirama, Caetanos, Cansanção, Filadélfia, Iaçu, Itiúba, Macajuba, Manoel Vitorino, Mirante, Mulungu do Morro, Nordestina, Pindobaçu, Planaltino, Rafael Jambeiro e Várzea Nova.

Secom 

terça-feira, 12 de março de 2013

População se Mobiliza para combater Fogo na Serra





Um grande incêndio em plena seca,está destruindo a fauna e a flora do cerrado nas serras do município de Pindobaçu. O fogo, iniciado na semana passada já devastou boa parte da vegetação o departamento de meio ambiente da Prefeitura de Pindobaçu, enviou nota a imprensa convidando voluntários para comparecerem no almoxarifado da prefeitura nos dia 12,13,é 14 para auxiliarem no combate ás chamas,onde contará com a presenças do corpo de bombeiro de Senhor do Bonfim, e Juazeiro. A região costuma sofrer com incêndios no segundo semestre, época de seca na área, ainda não se sabe o que teria provocado o incêndio.


Fotos Chocolate

DEPUTADO CARLOS BRASILEIRO PROPÕE DESCONTO MAIOR DO IPVA



O deputado Carlos Brasileiro (PT) apresentou proposta na Assembleia Legislativa para que o governo estadual implemente o programa “Desconto IPVA para Vida no Trânsito”. A ideia é conceder reduções no Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores àqueles que não cometerem infrações de trânsito no exercício anterior, quando do pagamento da cota única.

Caso a proposta seja encaminhada e aprovada, além do desconto de 10% para pagamento da cota única, deverá ser agregado mais um percentual de abatimento para aqueles que não infringirem qualquer norma do trânsito no período de avaliação imediatamente anterior ao licenciamento anual.

Segundo explicou o deputado Carlos Brasileiro, o desconto para quem não cometer qualquer infração de trânsito será iniciado com o percentual de 3% no primeiro ano, acrescido de 1% a cada ano sem ocorrência. Caso aconteça alguma infração, o proprietário perde todo desconto, independente do percentual acumulado, reiniciando o processo de contagem. “Em sete anos, o proprietário pode, junto com o desconto já oferecido, obter um abatimento de até 20% no imposto”, citou.

De acordo com a proposta, o programa não será válido para quem parcelar o pagamento do IPVA, ou seja, não fará jus ao desconto se não quitá-lo até o vencimento da cota única. O Poder Executivo, através do seu órgão competente, informará ao contribuinte o direito ao benefício mediante registro no documento relativo à arrecadação, no qual discriminará o percentual de desconto concedido, com menção ao número e dispositivos da lei a ser implementada. “O referido programa terá como principal objetivo o estímulo ao bom comportamento e o respeito à vida no trânsito, premiando os proprietários de veículos automotores que não cometerem infrações”, citou Brasileiro.

De acordo com o levantamento da Rede Interagencial de Informações para a Saúde do Estado da Bahia (Ripsa-Bahia), no período de 1996 a 2011, morreram na Bahia 26.161 pessoas devido a acidentes de trânsito, o que representa 3% do total de óbitos ocorridos no estado no período. Somente em 2011, foram 7.731 internações hospitalares por este motivo, correspondendo a 12,5% do total.


Gabinete do Dep. Carlos Brasileiro
Assessoria de Comunicação

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Prefeitura de Pindobaçu recebeu na primeira semana de fevereiro Mais de 2 Milhões.



A arrecadação dos municípios neste ano está sendo generosa por parte do governo federal, pois a primeira parcela referente ao mês de fevereiro, foram computados repasses até o dia 08, pra lá de animadoras. Os municípios receberam tanto dinheiro que em uma única cota foi o equivalente ao que se recebe o mês todo.
Os prefeitos estão rindo a toa, esperamos que os recursos sejam utilizados e empregados nos seus órgãos de forma que venha atender as necessidades devidas. Pois os gestores estão no mandato para isso. Governar os seus municípios de forma responsável.
Veja a relação dos municípios com suas respectivas arrecadações, lembrando que este valor é somente a primeira cota do mês de fevereiro, esse montante vai aumentar até o ultimo dia de fevereiro.
Saúde – 1.326.971,00 
Caldeirão Grande – 1.583.991,04
Pindobaçu – 2.274.367,47
Caém – 1.181.765,58
Ponto Novo – 2.040.423,77
Filadélfia – 1.850.227,69
Antônio Gonçalves – 1.216.466,83
Mirangaba – 2.107.385,86
Capim Grosso – 2.556.367,33
Serrolândia – 1.385.202,38
Quixabeira – 1.090.338,63
Jacobina – 5.815.904,55
Senhor do Bonfim – 4.572.925,90
Itiúba – 3.242.390,92
Campo Formoso – 6.071.023,62
Miguel Calmon – 2.385.986,11
Monte Santo – 5.024.189,14
Cansanção – 3.409.875,46

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Pindobaçu Continua sem os Caixas Eletrônicos


Depois de um Mês do assalto, a cidade de Pindobaçu e seus moradores ainda sofrem as consequências. Por ser a Unica Agência Bancária da Cidade, os Funcionarios Municipais e estaduais, ficaram impossibilitados de efetuar os saques dos seus pagamentos, sendo necessarios fazer uma remanejamento do banco junto a casa lotéricas e Correios para que o servidores podessem fazer suas transações bancárias.

A Gerencia do Banco Ainda Nâo Informou Quando os serviços voltarão ao normal na agência do Banco do Brasil, até lá os moradores continuaram fazendo saques e depositos através da casa lotérica e da agencia dos correios ou até mesmo nas agências bancárias das cidades Vizinhas.